• Instituto Telma Lobato

Sobre o PAI

Sobre o PAI


Pergunta:

Meu pai me magoou muito a vida toda. Eu tenho que incluir? Ele errou feio comigo.


Comentário Possível:

1) a vida não é o que você deseja;

2) vamos separar didaticamente o que chamamos de "Pai" do que chamamos de "Homem"?


Fazer isso terá grandes efeitos psíquicos.


Pai é uma função. Essa função começa a existir quando o espermatozóide dele encontrou o óvulo de sua mãe. Já o Homem (que você chama de pai), ele existia bem antes de você.


• Seu pai é perfeito


Bert fala que nossos pais são perfeitos e muita gente chia com essa sentença. O que Hellinger quer dizer é que no momento da concepção (ovo + esperma) deu tudo certo.


Então, nessa perspectiva biológica, animal, natural, sapiens, você precisa admitir que eles (mãe e pai) são perfeitos. Você é a prova viva e respirante disso.


• Agora vamos falar do homem


Na "era pré-esperma" quando você nem existia ainda esse homem (futuro-seu-pai) já estava por ai sendo ele. Esse homem (que você chama de pai) tem o sistema ancestral dele e possivelmente o pai dele (seu avô) e o pai do pai dele (seu bisavô) foram daquele tipo de homens que chamamos de "mais seco" ou "duros". Eles foram homens conforme seu grupo, seu tempo e seu contexto.


• Compreender ajuda


Você não precisa amar esse pai e nem esse homem, mas compreender esse contexto pode lhe ajudar a sair de onde você está.


• E onde você está?


Você está no plano das ideias e precisa ir pro plano das realidades. Você construiu um pai-ideal na sua mente e esse pai-idealizado não bate quase nada com o pai-real (aquele homem "duro" e "seco").


O pai do ((seu gabarito)) não corresponde ao homem que já existia antes de você. E por conta disso, porque você criou um pai na sua cabeça, você se acha no direito de reclamar e ficar ressentido.


• Pai-ciência


Já pensou passar a vida inteira brigando com o cachorrinho porque ele não é um bode. Ou brigar com o cactus porque ele não é uma orquídea? Já pensou passar a vida toda lutando com o pai-real porque ele não é o pai-ideal. Pai-ciência!!!


• Desiludir é ver o realzão e suportá-lo


Sabe do que você precisa? De desilusões, de muitas desilusões. Tirar os véus, os ideais, as querências. Rasgar os gabaritos, quebrar as suas réguas, esquecer das suas medidas e renunciar a ter razão, razão e mais razão.


Aquele homem não tem que mudar porque você nasceu e o chama de pai. Você não é tão especial e poderoso assim.


• Ele é quem ele dá conta de ser. Deixa assim.


Eu sei que o seu pai-ideal é mais doce e colorido, contudo ele não existe (tipo papai noel, coelhinho da páscoa e companhia) .


A grama do vizinho é sempre mais verde, o pai do vizinho é sempre mais pai. Essa é, contudo, uma lógica perversa e disfuncional. Por esse caminho que você escolheu ir só há espinhos.


• O adulto inocente é um infeliz


Num mundo lotado de parques temáticos e esvaziado de livrarias, é bem mais fácil escolher ser Peter Pan e acreditar no mito do pai-ideal.


Fazendo desse jeito ele (o papai) será sempre o culpado, não é verdade? E você será sempre o inocente, ferido e magoado.


• Os inocentes não progridem


Quem se vê como vitima aponta o dedo e julga o outro com extrema facilidade. Pessoas assim precisam do algoz pra justificarem seus fracassos e sua vida meia-boca.


Bert Hellinger diz que o perfeito não cresce. Quem se entende perfeito, não tem mais motivos.


• Ema ema ema, cada um com seu Sistema.


Larga disso. Ele não tem culpa, ele tem ancestrais. Você não tem culpa, você tem ancestrais, seus avós não têm culpa, eles têm ancestrais. Todos temos nossas dinâmicas antigas. Intercorrências que nos influenciam.


Todos erramos, todos somos incompetentes em muitos níveis. É humilde pensar assim. Se por hora você não consegue amá-lo ao menos compreenda-o.


Isso pode ajudar você.

-----


texto de Isabela Couto Constelação Familiar Sistêmica

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo